fbpx

Campanha de Financiamento Coletivo

Eugenia e outras desgraças

A ideologia nazista, o lobby abortista mundial e a “Cultura de Morte” denunciada por João Paulo II possuem todos uma raiz comum. Um movimento filosófico combatido por Chesterton há quase cem anos.
A eugenia.
No início do século XX, logo após a I Guerra Mundial, essa ideia foi a grande moda entre as elites. Tradicionais famílias milionárias bancavam suas pesquisas. O jornal “The Nem York Times” a celebrou como o surgimento de uma “nova ciência”. Charles Elliot, reitor de Harvard, promovia a eugenia como solução para os problemas sociais. Cientistas elogiavam o “melhoramento da espécie humana” publicamente sem nenhum pudor. Nos anos 20, quase três-quartos dos livros de ciência do ensino médio americano ensinavam os princípios eugênicos. Além disso, juízes europeus e americanos aplicavam princípios eugênicos legalmente, possibilitando absurdos como esterilização forçada de populações pobres ou consideradas “fora dos padrões” (como diversas minorias étnicas).
No mundo anglófilo, a eugenia era uma unanimidade entre artistas, políticos e intelectuais. Chesterton foi uma voz absolutamente solitária ao ir na contramão e denunciar essa ideia, comprando uma briga contra toda a intelectualidade do seu tempo. Não se intimidou, e realizou uma crítica violenta e feroz, apontando a eugenia como a grande desgraça da era moderna.
Como aponta Dale Ahlquist, da American Chesterton Society, é provavelmente seu livro mais profético. Escrito logo após a I Guerra Mundial, quando ninguém poderia imaginar que um novo conflito viria, o livro combate as ideias que serviram de base para assassina ideologia nazista. Chesterton morreria em 1936, dois anos após Hitler se tornar o führer alemão, e três anos antes do início da guerra.
Como o próprio nome sugere, não é apenas a eugenia que apanha nesse livro. Também o socialismo recebe alguns dos golpes mais violentos de Chesterton, que também não poupa o capitalismo industrial. Chesterton vai na raiz da mentalidade materialista e ateísta que justifica a eugenia, mostrando como isso poderia ser usado para justificar toda sorte de atrocidades.
Em nossos dias, onde vemos uma luta violenta pelo aborto, com países que “solucionaram” o problema da Síndrome de Down (matando as crianças antes do nascimento), o livro ganha uma nova atualidade.
Nos ajude a publicar essa profecia chestertoniana e fazer essas corajosas ideias circularem em nosso país. Apoie a campanha pela publicação de “Eugenia e outras desgraças”.

Capítulos do livro:

PARTE I: A FALSA TEORIA

I. O que é a Eugenia?

II. Os Primeiros Obstáculos

III. A Anarquia dos Altos Escalões

IV. O Lunático e a Lei

V. A Autoridade Alada

VI. O Desafio Sem Resposta

VII. A Igreja Estabelecida da Dúvida

VIII. Sumário de uma Falsa Teoria

PARTE II: O OBJETIVO REAL

I. A Impotência da Impenitência

II. A Verdadeira História de um Vadio

III. A Verdadeira História de um Eugenista

IV. A Vingança da Carne

V. A Vileza do Motivo

VI. O Eclipse da Liberdade

VII. A Transformação do Socialismo

VIII. O Fim dos Deuses do Lar

IX. Um Curto Capítulo 

CURSO "CONTRA A CULTURA DA MORTE"

Este curso será gravado, exclusivamente, por Diego Hernánez, para apresentação de nosso livro e também para contextualiza-lo com o nosso momento histórico de combate a cultural da morte. Serão três aulas abordando os seguintes tópicos:

  • O momento histórico e geopolítico atual e sua relevância nas lutas em defesa da vida e da família na América Latina;
  • Os arquitetos da 'cultura da morte': raízes, idéias e autores da ofensiva global contra a vida e a família;
  • A insurgência cidadã: como se combate em favor da vida e da família hoje na América Latina e o que você pode fazer.

DIEGO HERNÁNDEZ

Diego Hernández é jornalista, correspondente estrangeiro no Brasil desde 2002. Editor do diario digital latinoamericano D’Vox (www.dvox.co [1]) e colaborador de Actuall (www.actuall.com [2]) Casado e pai de dez filhos. Mora em Belo Horizonte. Dedica parte de seu tempo a atividades de advocacy na Rede Estadual de Ação pela Família, da qual é membro do conselho diretivo.

Este livro de Chesterton, juntamente com o curso, é um forte trunfo contra a cultura da morte, não deixe de contribuir!

O ensaísta, tradutor e jornalista Bernardo Pires Küster será o prefaciador de “Eugenia e Outras Desgraças”.

Para nós é uma alegria ver um jovem combatente das ideologias prefaciar uma obra que consagrou o bom combate de Chesterton.

É sinal de que o legado de Chesterton atingiu as novas gerações!

Cadastre-se na lista de interesse pelo livro:

R$ 22.300

61.33%
de R$ 37.500

422

financiadores
Faltam

10 dias

para o fim da campanha em 27/01/2019
Estimativa de envio dos livros e recompensas:

15/03/2019

1 Livro

R$ 29

Um livro “Eugenia e outras desgraças” e seu nome nos créditos do livro.

Combo pró-vida

R$ 39

Um livro “Eugenia e outras desgraças” e seu nome nos créditos do livro. O curso exclusivo “Contra a Cultura da Morte” com Diego Hernández.

Combo Estudos Chestertonianos

R$ 74

Um livro “Eugenia e outras desgraças” e seu nome nos créditos do livro. Um livro o “Essencial de Chesterton” que é uma introdução, por ele mesmo, ao seu pensamento. O curso exclusivo “Contra a Cultura da Morte”.

Combo Defesa da Família

R$ 131

Dois livros “Eugenia e outras desgraças” e seu nome nos créditos do livro. Um livro “A Superstição do Divórcio”. O curso exclusivo “Contra a Cultura da Morte”. Uma caneca de café da Sociedade.

Frete Grátis

Combo Biblioteca Chestertoniana

R$ 259

Dois livros “Eugenia e outras desgraças” e seu nome nos créditos do livro. O curso exclusivo “Contra a Cultura da Morte”. O Livro “A Taberna Ambulante”. O livro “O Essencial de Chesterton”. Os livros “A Inocência do Padre Brown” e “A Sabedoria do Padre Brown” e uma caneca de café da Sociedade.

Frete Grátis

×
×

Carrinho